Depois de 6 anos, John Green, autor de A Culpa é das Estrelas, voltou as livrarias no dia 10 de outubro com o livro Tartarugas Até Lá Embaixo, que conta a história de Aza Holmes, uma adolescente que está tentando ser boa filha, boa amiga e boa aluna, ao mesmo tempo que tenta lidar com as espirais de pensamento que se fixam em sua mente cada vez mais.

“Esta é minha primeira tentativa de escrever sobre essa síndrome que afeta minha vida desde a infância”, disse John Green à imprensa. O autor possui o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e sua nova personagem, Holmes, também compartilha do mesmo. Para falar sobre o transtorno de forma que os leitores possam realmente entender a sensação, faz-se necessário ter essa fonte que o conectaria e, dessa vez, a fonte era o próprio John Green. Em A Culpa é das Estrelas, o autor foi inspirado por uma amiga, Esther Earl, que morreu de câncer em 2010 e disse que não poderia ter escrito o livro sem ter conhecido e admirado Esther.

            A história começa com a iniciativa de Daisy, melhor amiga de Aza, em descobrir o misterioso paradeiro de um bilionário corrupto, Russell Pickett, por quem oferecem uma recompensa de cem mil dólares por informações. Aza acaba embarcando na ideia da amiga e, juntas, vão atrás do único contato em comum com o magnata, o filho dele, Davis, que na infância fora amigo de Holmes.

Personagens femininas fortíssimas, um laço de amizade muito duradouro, o lado nerd (que nos traz muitos diálogos sobre Star Wars, inclusive, Daisy escreve fanfics da saga) e citações de muitos autores permeiam a história, enriquecendo-a com mais detalhes, muito bem explorados pelo autor, que não nos deixa perdidos na história.


            Green faz você não apenas mergulhar nos pensamentos de Aza Holmes, mas mergulhar na mente de uma adolescente com TOC, tentando equilibrar suas espirais de pensamento (pensamentos que ficam se repetindo constantemente) com o drama que vive na adolescência. E a busca por informações do paradeiro do bilionário. Contudo, o mistério do desaparecimento de Pickett acaba se tornando apenas um detalhe dentro da história.

            O autor deu preferência a mostrar como era dentro da mente de Aza, em vez de se prender a como ela aparentava fisicamente, contudo, isso não faz falta. A história vai muito além de romance ou mistério, proporciona certo entrosamento da mente do leitor com a mente de Holmes, nos fazendo tentar compreender o que é viver naquele mundo de constantes espirais de pensamentos e das incontáveis dúvidas sobre o seu eu.

            Quando anunciado o lançamento do livro, John Green explicou que a obra era ficcional, mas havia muito de si próprio. Ao declarar isso, deixou óbvia a confiança que possui com o seu público. O leitor fica imerso em uma história tão verdadeira, com sentimentos de agonia e desespero, que fica impossível não conectar os dois mundos, as duas pessoas, Aza e John. Tartarugas Até Lá Embaixo é uma história para tentar compreender esses mundos, afinal, como nossa querida Holmes disse “É muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu”.


            Esse livro com certeza é favorito e recomendo ele para todos que querem fugir do clichê clássico do John Green, meu livro favorito do Green era Quem é Você Alaska?, mas agora, com certeza é Tartarugas Até Lá Embaixo, me achei muito mais envolvida na história e isso me agradou. Vou ficando por aqui, bom início de novembro, até a próxima!!!
Avaliação: 

7 Comentários

  1. Eu sou apaixonada pelos livros do John Green e tenho certeza que esse será o mais novo sucesso! A capa já chama atenção e depois que li algumas resenhas fiquei ainda mais interessada pela história. As fotos do post ficaram lindas, sucesso <3

    ResponderExcluir
  2. Confesso que não sou muito fã do John Green, mas sei que o cara manda bem pra caramba. Acho muito interessante e importante abordar essas questões como o TOC em obras, cujo publico principal é mais jovem. Tenho visto muitos burburinhos sobre esse livro, parece ser muito bom. Arrasou na resenha! Beijosssss

    ResponderExcluir
  3. Eu vou falar a verdade muitas amigas minhas amamãos os livros do John Green e eu não posso comentar porque nunca li kkk é estranho falar mais eu amei sua resenha e já fiquei louca para ler!

    ResponderExcluir
  4. Como não amar, John Green? Autor que escreve com tanta intensidade e narra a história prendendo o leitor até o fim. Ele sempre desperta no leitor a vontade, mais que isso, o desejo de descobrir o final da trama. Adoro as tramas dele e nunca deixo de me emocionar com A Culpa é das Estrelas, posso ver 1000 vezes, mas é sempre a mesma emoção.

    ResponderExcluir
  5. Oii tudo bem?
    Quando eu gosto de um autor tenho que ter a coleção completa de livros dele na minha estante (mesmo que isso me leve a falência). Estou super ansiosa para começar a leitura, mas tenho que terminar umas para poder ler o livro e apreciar essa história que trás um assunto bastante delicado. Sua resenha me trouxe mas motivação para começar logo a leitura desse livro que já está na minha coleção desse autor maravilhoso <3
    Super parabéns, e as fotos ficaram um amor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. ooi tudo bem ? nao conhecia o livro mais o autor sim e gosto muito das obras dele parabens pela sua resenha voce pegou varios pontos importantes do livro e ficou bem sincera a resenha adorei
    BLOG♥ Coisas da Vida

    ResponderExcluir
  7. Já quero! Ainda não tinha visto esse, mas fique super afim. Amo o autor e todas suas outras obras, esse com certeza não será diferente.
    Mas creio que nenhum outro supera o épico A Culpa É Das Estrelas!

    ResponderExcluir